Miguel Relvas – Wikiipédia Livre

Não sei quem escreveu, mas é do melhor que há, juntando a deste com a do Passos Coelho da uma boa merda, agora percebo porque se tapam um ao outro, eu no lugar deles já me tinha pirado para Paris, a viver num quartinho na casa do Socrátes!!!

Vou colocar aqui alguns excertos, mas se quiserem ler tudo:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Miguel_Relvas

No registo biográfico entregue no Parlamento quando foi eleito pela primeira vez deputado (na IV Legislatura, iniciada a 4 de Novembro de 1985), Miguel Relvas escreveu na alínea das habilitações literárias: “Estudante universitário, 2.º ano de Direito” – informação semelhante à do registo entregue na legislatura seguinte. Tendo Relvas feito apenas uma cadeira do 1.º ano de Direito [9]. Em julho de 2012 afirmou que foi um lapso ter declarado à Assembleia da República, por duas vezes, que tinha frequentado o 2.º ano do curso de Direito[10].

Actualmente já está reformado e recebeu, em 2011, 14 mil euros a título de pensão. Relvas optou por suspender a pensão quando foi convidado a integrar o Governo de Passos Coelho[15].
Quando integrou o Governo de Passos Coelho deixou de receber 2800 euros mensais, uma subvenção vitalícia por 12 anos de atividade política[16].
Integra como membro a Maçonaria através da Loja Universalis do GOL.[17]
Segundo ficou provado, e tal como veiculado pela imprensa, falsificou a sua morada legal lesando o Estado, com o intuito de obter incrementos no seu vencimento, e assegurando ao mesmo tempo a candidatura nas listas do partido através dessas localidades quando tinha habitação em Lisboa. Também esteve envolvido no célebre caso das Viagens-Fantasma, polémica surgida a 20 de Outubro de 1989, publicada pelo O Independente[18] [19] [20].

Universidade Livre

Inscreveu-se pela primeira vez no ensino superior em 1984, no curso de Direito da Universidade Livre, uma instituição privada. Em 1985concluiu, após frequência escrita e prova oral, a disciplina de Ciência Política e Direito Constitucional, com a classificação de 10 valores. Em Setembro desse ano pediu transferência para o curso de História, ainda na Universidade Livre. Matriculou-se em sete disciplinas, mas não fez nenhuma.

[editar]Universidade Lusíada

Em 1995/96 pediu reingresso na Universidade Lusíada para o curso de Relações Internacionais. Não frequentou nenhuma cadeira. [2]. A Universidade Lusíada anulou a matricula de Miguel Relvas em 1996 por estar a dever 160.272 escudos (cerca de 800 euros) de propinas[3].

[editar]Universidade Lusófona

Em Setembro de 2006 requereu a sua admissão à Universidade Lusófona. A Universidade Lusófona analisou o “currículo profissional”, bem como a frequência dos “cursos de Direito e História” anos antes. Em Outubro de 2007 Miguel Relvas concluiu a licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais, curso com um plano de estudos de 36 cadeiras semestrais distribuídas por três anos, com a classificação final de 11 valores. Esta licenciatura foi concluída em apenas um ano. [4][5].
Relvas, obteve 32 equivalências e teve apenas de fazer exames a quatro disciplinas para poder concluir num ano a licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais na Universidade Lusófona de Lisboa.
Os cargos públicos que Miguel Relvas ocupou desde os seus 26 anos valeram-lhe a equivalência a 14 disciplinas. A sua avaliação das “competências adquiridas ao longo da vida” teve em conta os nove cargos que ocupou como membro da delegação portuguesa daNATO, entre 1999 a 2002 e como secretário da direcção do grupo parlamentar do PSD entre 1987 e 2001.
Os cargos políticos desempenhados permitiram obter equivalências a três disciplinas do 2.º ano e ainda a mais uma do 3.º ano. Por fim, a avaliação do “exercício de funções privadas, empresariais e de intervenção social e cultural” permitiram adquirir equivalências a mais 15 disciplinas.
Relvas realizou apenas quatro exames para que pudesse concluir o 1.º ciclo de estudos (licenciatura). O aluno fez as provas nas cadeiras de Quadros Institucionais da Vida Económico-Político-Administrativo, do 3.º ano (12 valores), Introdução ao Pensamento Contemporâneo, do 1º ano (18 valores), Teoria do Estado, da Democracia e da Revolução, do 2.º ano (14 valores) e ainda Geoestratégia, Geopolítica e Relações Internacionais II, do 3.º ano (15 valores)[6]. O reitor da Universidade Lusófona, na altura em que Relvas estava inscrito, Santos Neves, deu-lhe a melhor nota do seu currículo académico – 18 valores na cadeira Introdução ao Pensamento Contemporâneo. Esta disciplina estava, no entanto, a cargo de Fernando Pereira Marques. Também dez alunos da “suposta” turma de Miguel Relvas (1P1) afirmaram que nunca o viram nem nos testes nem nas aulas da cadeira. Confirmam de igual modo que Santos Neves nunca foi professor da turma[7].
Foram-lhe até dadas equivalências a cadeiras que nem existiam em 2006/2007, ano lectivo em que esteve matriculado na Lusófona[8].

[editar]

Sábado a Rir

Para que tudo vos corra bem aqui vai umas anedotas da minha amiga Ana Arrebentinha!!!!

De noite, um bêbedo muito bêbedo ia pela rua aos trambolhões; de vez em quando parava e começava a gritar: 
Eu, se tivesse 5 € comprava o Passos Coelho! Eu, se tivesse 5 € comprava o Passos Coelho! 
Claro que ao fim de um bocado foi preso, e no dia seguinte foi presente ao tribunal. 
O juiz – o senhor praticou um ato gravíssimo. Lembra-se?
O bêbedo – oh senhor doutor juiz, eu estava um bocado bebido, sabe…
O juíz – isso não é desculpa. O senhor andava a dizer que se tivesse 5 € comprava o Passos Coelho.
O bêbedo – oh senhor doutor, nem me diga isso. Um homem quando está bêbedo lembra-se de comprar cada merda!



Sábado, como de costume, levantou-se cedo, vestiu um agasalho, vestiu-se silenciosamente, bebei café e até foi dar um passeio com cão.
Em seguida, foi até à garagem e engatou o barco de pesca no seu Jeep. De repente, começou a chover torrencialmente. Havia até neve misturada com a chuva e ventos a mais de 80 km/h.
Ligou o rádio e ouve que o tempo iria ser de frio e chuva durante todo aquele dia.
Voltou imediatamente para casa. Silenciosamente, despiu-se e deslizou para baixo dos cobertores. Afagou as costas da mulher e disse-lhe baixinho:
– O tempo lá fora está terrível.

Ela, ainda meio adormecida, respondeu:

– Acreditas que o cabrão do meu marido foi pescar com este tempo ?